A escolha de um bom portfólio
29 de abril de 2020
Vinho amadurecido em Barris de Bourbon: uma moda ou um novo estilo?
29 de abril de 2020

Calor combina com…

Se você pensou em cerveja, certamente nunca teve a maravilhosa experiência de se sentar à beira-mar e degustar, matando a sede mesmo, uma bela taça de vinho branco, harmonizando com o que o nosso litoral tem de sobra, belos frutos do mar.

Brancos, espumantes, rosés…  Ah o mundo do vinho vai muito além dos tintos.

Nós brasileiros, nordestinos em especial, temos a tola ideia de achar que quem entende de vinho, só toma vinho tinto. De onde saiu isso? Certamente, da cabeça de alguém que não levou em conta que vivemos num país tropical, com dias de sol quase o ano inteiro e verões escaldantes  que pedem, de modo geral, vinhos mais leves, frescos e que devem ser servidos à temperatura mais baixa. O que se instalou foi um preconceito com os “não tintos”, por serem considerados erroneamente, piores. Líquidos

Claro que existem preferências e os gostos devem ser respeitados, têm pessoas que preferem realmente um vinho tinto corpulento, rico em taninos e álcool, um verdadeiro “estoura peito”, como diria um amigo meu, mas não custa dar uma chance e se aventurar em líquidos mais cristalinos, principalmente se o clima está gritando e implorando por isso.

Os “gringos”, quando desembarcam por aqui, não entendem como as pessoas em um país como o nosso, com um clima e uma culinária tão favoráveis ao consumo de vinhos brancos, praticamente não os consomem.

Vamos abrir nossos horizontes e embarcar nos encantos de um ácido Sauvignon Blanc, na fineza de um Chardonnay, na sutileza de um rosado ou nas pérolas de um bom espumante.

Tim-Tim